2015 está acabando e chegou a hora do post de retrospectiva! \o/ Assim como no post do ano passado, vou tentar comentar bem rapidinho sobre coisas em geral lançadas ao longo do ano. Lembrando que o foco é animes, mangás, jogos e drama CDs que eu vi/li/joguei/ouvi. ^^ E cuidado, este post é longo. Longo o bastante pra compensar minha falta de atualizações, eu espero. m(. .)m

ANIMES

retro2015

Se você me perguntar quais animes se destacaram em 2015, rapidamente me vem à mente Prison School e Shokugeki no Souma. Depois, esforçando-me um pouco, lembro de outros. Esse ano não teve muita novidade para mim. Dos animes listados aí em cima eu só desconhecia Shokugeki no Souma. Os outros eu acompanho (ou li um pouco) o mangá (e Death Billiards, quem não viu?). Mas, enfim, são todas boas obras, com boas adaptações e por isso não posso deixar de recomendar! /o/

deathParade

A temporada de inverno foi completamente salva por Death Parade, um anime original com todos os elementos, de um bom anime, funcionando como devem. Apesar de ter umas considerações negativas sobre o final, eu acho que é um dos melhores animes lançados em 2015.

Na primavera muitos foram surpreendidos com Ore Monogatari!!, aquele shoujo doce e engraçado com um protagonista diferente de tudo o que já vimos nessa demografia. Sim, muito bom! Entretanto, eu fui pega de surpresa com Shokugeki no Souma e o foodgasm.

shokugekinosouma

Confesso que quase desisti do anime no primeiro episódio. Mas influenciada pela tl do Twitter, eu continuei. E então, lá estava eu, aproveitando cada cena, amando cada personagem, curtindo cada prato, shipando cada ship (shipei o Souma com um monte de gente, socorro!!) e me apaixonando por cada segundo da trilha sonora (fantástica! <3). A segunda temporada foi anunciada e eu não podia estar mais feliz! Só falta o licenciamento do mangá (já que não encontro um set em lugar nenhum //chora).

Ainda na mesma temporada, não posso deixar de mencionar Kyoukai no Rinne e Yamada-kun to 7-nin no majo. Dois animes engraçadinhos que me divertiram muito na hora do café da tarde. Também não vamos esquecer da continuação de Sidonia no Kishi, que já devo ter assistido repetidas vezes mais que o normal. Sensacional! (Não posso dizer o mesmo do final do mangá, AFFFF.)

Da temporada de verão eu desisti de Gangsta. e Akagami no Shirayuki-hime. Começam bem, mas de repente ficam devagar e mais nada acontece. Nem flashbacks ou momentinhos “doki doki” são suficientes pra salvar. Só me sinto na obrigação de destacar e recomendar Prison School. E não acredito que estou fazendo isso.

prisonschool

Uma história diferente e exageradamente engraçada — apresento-lhes o meu extravagante senso de humor). Prison School pode render umas boas risadas ou umas ridículas discussões, como por exemplo, por que bundas são melhores que peitos (não precisa entender). E pode assistir na sala, é seguro. heh

Aoharu x Kikanjuu

Aoharu x Kikanjuu também merecia destaque, mas infelizmente a animação e o traço dos personagens, em muito momentos, deixou a desejar. Tirando isso, o anime ficou de parabéns. Foi muito fiel ao mangá (que é ótimo!), tem um ótimo elenco de dubladores e trouxe um bom jogo de cores nas cenas mais emocionantes. É uma pena que ele tenha passado despercebido por muitos. Eu amo esse plot com protagonista forte que se disfarça de garoto e se envolve nuns lances com uns rapazes lindos! O anime provavelmente cumpriu sua meta ao dar bom resultado nas vendas do mangá, então duvido que dê pra sonhar com uma segunda temporada.

Por fim, chegamos a temporada de outonoNoragami arrasou na segunda temporada (e que pelamor o mangá venha pra cá dessa vez!). Eu achei que a qualidade da animação não estava lá essas coisas, mas não sei. Deve ser só impressão. Quanto a Diabolik Lovers, fui mais ou menos feliz… a velha história de sempre, o jogo foi mal adaptado (os dois jogos, né? Que produção pirada.). Algo que é impossível de se fazer em míseros 12 episódios de 10 minutos! A primeira temporada tinha 15min! Devolva meus 5 min de esmola! (Bah, se tem um pouquinho que seja de Ruki e Shu, sou pobre feliz. :3)

Tivemos também o anime musical Dance with Devils fazendo uma boa propaganda para o otome game de mesmo nome. Eu não estava esperando muito da história, mas ela me surpreendeu, especialmente lá por volta do episódio 8. É um anime meio termo que não sei se levo a sério ou se continuo segurando o riso quando eles cantam. XD Enfim, vamos logo encerrar e dizer que o que interessa mesmo nessa temporada é One Punch Man.

onepunchman

Cinco episódios depois e um ranking da Oricon entupido com as vendas de todos os volumes do mangá (tecnicamente isso já acontecia antes do anime). E, claro, a ótima notícia do licenciamento dele por aqui! O anime ficou sensacional! O cast, as cores, a animação, a trilha sonora, TUDO! Tudo bem planejado! A única crítica que faço é para a introdução antecipada de alguns personagens, mas isso não estraga a história. O anime tinha cara de “propaganda” pro mangá, de qualquer forma. Enfim, meus domingos foram de muita alegria. Obrigada, Madhouse!

Agora, rapidinho, falando de estreias na Netflix, assisti Nanatsu no Taizai e achei bom, apenas. A história joga na sua cara um plot sobre a procura por 7 cavaleiros (7 pecados) e você meio que fica curioso pra conhecer cada um. São personagens bem divertidos e peculiares (Ban vs Zeno, quero ver). Confesso que o interesse só veio mesmo quando o pecado da luxúria apareceu. :3 Bem, algumas lutinhas são empolgantes e elas são imperdíveis. Tem horas que é shounenzaço demaaaaais (especialmente na segunda parte da história), porém, continua sendo altamente recomendável.

MANGÁS

Diferente do ano passado, dessa vez irei apenas comentar shoujos (porque sim) que estrearam este ano e que achei que valiam algumas palavrinhas.

manga

Ouji-sama ni wa Doku ga Aru (2015), de Yuzuki Jun: mais uma obra sobre um duas caras. E eu amo o tipo. cof. Este é um trabalho repleto de comédia onde a autora dá espaço tanto pra mocinha como pro rapaz. O enredo tem aquela velha história do amigo de infância que é a fim da mocinha, que não o vê da mesma forma, e ele tenta dar um fim nisso eliminando a concorrência e se aproximando dela. Sim. Não é nada novo e original, mas eu acho que a autora sabe o que está fazendo. Pelo menos tá arrancando umas boas gargalhadas de mim. xD

Suijin no Ikenie (2015), de Toma Rei: A heroína é uma menininha que do nada foi parar em uma aldeia que oferece sacrifícios para o Deus da água. E ela é a vítima da vez. O tal Deus é um cara apático lindo que não sei dizer se é cruel ou se só não compreende os seres humanos (o cara não sabia que a garotinha não estava mais se mexendo simplesmente porque estava quase morta de fome… (・_・ヾ). Eu gosto do tom de fantasia desse mangá e a forma como ele se coloca como uma história séria. Achei o trabalho anterior da autora um verdadeiro tédio, mas tem sido muito bom acompanhar Suijin no Ikenie. Ficarei de olho.

Takane to Hana (2015) de Shiwasu Yuki: a heroína vai no lugar da irmã para um miai para conhecer o filho do chefe de seu pai. O cara (lindo) diz umas grosserias tipo “aff, não gosto de mulher cheia de maquiagem na cara não” pra mocinha e ela devolve na mesma moeda jogando a peruca na cara dele com um “nem te queria mesmo, fod–se”. lol Mais tarde ele aparece dizendo estar interessado nela. Pfff. Típico. O cara é aquele tipo de pessoa que acha que tudo se resolve com dinheiro. E é um idiota. Num sentido bem engraçado. A mocinha tem bom senso e coragem, dando o equilíbrio cômico pra história. Bem a cara da Hana to Yume. Relação com um cara mais velho é algo que não vejo muito por lá e acho que essa história tem potencial. Estou amando! ^^

outros

Menções honrosas pra Omoi Omoware, Furi Furare (2015) de Sakisaka Io, porque eu não resisto aos dramas que essa mulher desenha e quero que Toma seja vingado por esse tal Rio (PQPTOMAAAA ;w;); Short Cake Cake (2015), de Morishita Suu, porque essa autora tem o ritmo lento mais gostoso do mundo (dsclp, é muito cedo pra julgar a história ainda); e Kenka Bancho Otome (2015) porque sim!

Ah! Não vamos esquecer de Inma Anthology (2015), a grande surpresa (pra mim). A empresa Velvet Voice lançou uma adaptação em mangá de seus Inmas e esta é a primeira vez que vejo uma série em drama CDs (daquele, *cahan*, tipo) ganhar algo assim. Imagino que tenha sido um sucesso de vendas.

inma

Para quem não conhece, essa é uma série de drama CDs sobre Inmas, cada volume com dois íncubos fisicamente semelhantes, mas que têm personalidades diferentes. O mangá traz 4 capítulos referentes aos seguintes CDs lançados: Do-S Inma & Sweet InmaManiac Inma & Naive InmaGentleman Inma & Oji-san Inma; e Koakuma Inma & Shy Inma. Bem, eu comprei uma edição. Cof. Os traços são bons, feitos por quatro mangakas diferentes. A adaptação é original, com poucas semelhanças à história dos CDs (não que não tome o mesmo “rumo”, mas as cOiSaS acontecem, *cahan*, diferente). As heroínas são diferentes umas das outras, cada uma tem personalidade (tem uma que é fujoshi). Enfim, quem curtiu a série vai gostar. É sem dúvida um item indispensável para as fãs. cof. cof COF COF //MORRE

DRAMA CDs

Consegui lembrar de algumas séries que tem uma ou duas coisas que as tornam interessante, mas no geral achei esse ano bem fraco.

yuuro

Rejet só trouxe uma coisa que vale algo pra quem curte um clichê shoujo: Yuugen Romantica. É muito amor, tem ótimos seiyuus e um monte de ayakashis que tornam tudo interessante. Eu coloquei as expectativas certas nos personagens certos, mas Iriya se tornou meu favorito. Não, não é por causa do ar de safadeza. É que o clímax dele foi bem mais legal que os outros. Enquanto uns me fizeram chorar e outros foram parecidos no desfecho, o do Irya conseguiu ser empolgante,  tocante e, o mais importante, assustador (se é pra ser um ayakashi que dá medo, tem que dar MEDO, né não?). E de extra, temos a parte em que ele se transforma em mini serpente (QUE FOFURA, TACHIBANA-SAN! SUA VOZ!) e dá uma mordidinha aplicando um veneninho básico pra fazer a heroína dormir. Por essa eu não esperava. lol

shinigami

Também ouvi alguns personagens da série de drama CDs Shinigami Kareshi, dando maior atenção para os CDs de UN:, que ocorrem uma noite antes da vida da heroína ser levada (a propósito, são momentos que não aparecem no jogo). Bem, bem, BEM! O CD do Rikka (de novo, Tachibana-san, cof) acabou comigo. Devo ter escutado umas trinta vezes só pra ter certeza de que não estava imaginando coisas. “Isso é Honeybee! Não é possível!”, era o que eu repetia mentalmente a cada replay, mas o fato é que ficou implícito que rolou algo ali. Alguém precisa confirmar pra mim se eles tiveram ou não uma noite de sexo selvagem.

DR

Doronuma Renai, da BlackButterfly, foi outro título que me surpreendeu MUITO. Ele tem vários finais e PLOT TWIST DO CARAMBA. Bem, a heroína namora o rapaz de cabelos negros e é uma velha amiga do de cabelos castanhos, que, claro, é a fim dela. Por algumas razões a mocinha começa a desconfiar que o namorado está traindo-a e ela começa a pedir conselhos ao amigo, que no decorrer da história se declara e tal. E depois acontece um acidente que, bem, leva pros finais. O CD conta com Ishikawa Kaito e Saitou Souma no cast (Nine e Twelve, de Zankyou no Terror, KYAA). Interpretação impecável. Saito Souma yandere era tudo o que eu precisava (ops…!).

ene

Enemy Coupling é uma série fofa pra maiores de dezoito. Uhun~ (¬‿¬ ) No mundo desse drama, as pessoas são meio que humanos e meio que animais. O plot gira em torno dos casais que são inimigos naturais. Por exemplo, no CD do rapaz-gato, a heroína é uma ratinha. Em outro CD, ela é uma ovelha e seu namorado, um sensei-lobo. Então, então, então. Eu gostei de todos os CDs. Eles tinham tudo pra ser só um simples romance piegas de colegial, mas essa ideia de características animais ajudou a enfatizar algumas coisas, como por exemplo, o ciúme que o rapaz-coelho tem quando vê a mocinha-raposa falar com o sensei-lobo (complexo de inferioridade) ou o medo que ele tem da avó-raposa devorá-lo (medo de conhecer a família). Enfim, eu amo coelhos e… ficou claro que eu gostei do coelhinho? \(⌒▽⌒) É um título fofo, quente e divertido. Foi a coisa mais criativa que a Milky Chain trouxe.

gc

Gyaku Choukyou, da Hituzigumo. Esse sim foi o drama do ano. A heroína é uma cidadã comum que foi presa e fisicamente torturada e humilhada pelo oficial militar aí da capa, que confundiu ela com outra pessoa suspeita de ser anti-governo. Acontece que ela resolveu se vingar e nas faixas seguintes o otário está preso em uma sala subterrânea recebendo todo tipo de tapa, chute, chicotada e outros estímulos para maiores de dezoito só pra deixar o cara na vontade. Cof. Ou seja, esta é uma experiência sadomasoquista muito louca. (não, ele não é maso) Eu já perdi o bom senso faz tempo, então não vou julgar o fato desses dois serem muito doentes por acabaram se apaixonando depois de tanto apanharem um do outro.

kai

Kindan no xx Ai não tem um plot original e só merece menção honrosa. A heroína tem um caso de amor proibido com os irmãos. POIS É. Mas tem uns poréns. O loiro não é irmão de sangue. Já o outro sim, mas eles não sabem (e namoram na inocência cof). E é o CD dele que importa. (・∀・*) Blá, blá, blá, o amor vira obsessão que vira yanderismo. E é isso. O draminha é um pouco interessante, o resto é extra. E Melty Drop não fez final feliz. ¯\_(ツ)_/¯

Otome Games

Falando em otome games, joguei quase nada esse ano. 。゚(。ノωヽ。)゚。 //Prólogo de Amnesia não vale, né…?//

un

Vejamos, joguei duas rotas de Un:BIRTHDAY SONG ~Ai wo Utau Shinigami~, da Honeybee. Eu ainda não terminei a rota do Shizuru. Em minha defesa, digo que as outras rotas me deixaram BASTANTE deprimida (foi um jogo triste em vários sentidos) e acabei adiando o Shizuru e esquecendo dele. //tadinho// Espero ter terminado até este post ir ao ar, caso contrário, ficam aqui minhas impressões rasas. Eu não terminei o primeiro jogo (RE:), apenas “assisti” algumas aulas e não sei se foi por causa disso que não senti dificuldade em entender UN:, porque ele também dá noções introdutórias sobre como as coisas funcionavam, mas então, não sei dizer se é obrigatório jogar RE: antes. Mas voltando a falar sobre o jogo, foi muito triste. E estou falando sobre como ele sugou toda a minha energia positiva (sou sensível, uai (;ω; )). A história do Zen é super triste e com um desfecho muito bonito, mas a rota do Rikka partiu meu coração. Aquele coração com expectativas! Foi simplesmente WTF. O QUE A FOCA MESMO. ლ(ಠ_ಠ ლ) Tinha umas coisas ali que me deixaram de um jeito que eu não sei nem como definir. Foram apenas EsTrAnHaSsSss. Apesar disso tudo, eu gostei do jogo. Ele é engraçado, misterioso, fofo e, bem, cumpriu a promessa de ser uma triste história de amor (pelo menos até onde eu joguei).

yoshiwarahiganbana

Yoshiwara Higanbana, da MariaCrown, é outro jogo que ainda não terminei e não sei se a preguiça vai deixar. Pra ser honesta, eu tenho interesse mínimo por otoges +18 já que geralmente esses jogos são cheios de histórias sem pé nem cabeça cheias de estupro e eu odeio isso. Mas Yoshiwara, num primeiro momento, não parece fazer parte dessa maioria. Então! Eu estava muito ansiosa pra jogar com o tal cabeleireiro shota, apenas ele, e minhas expectativas foram super bem compensadas. ♡ ~(‘▽^人) A rota dele é hiper mega doce. Eu tenho pouquíssimas críticas a fazer, MAS vou encerrar meus comentários sobre ele por aqui porque as meninas do otomices não deixam não quero explodir de emoção neste parágrafo (e acredite, eu virei uma bomba atômica apaixonada depois de terminar essa rota). *cahan* Sobre a qualidade do jogo em geral eu posso garantir que é ótima. Trilha sonora e canção de abertura perfeitamente no estilo tradicional japonês, e, claro, belíssimas ilustrações CGs! Quanto a história, ela é normal. E por normal quero dizer que estão contando histórias que se passam em Yoshiwara do jeito certo. Isso exige que você conheça um pouco dessa cultura, pois o jogo não tem glossário. Eu fiquei boiando em algumas poucas situações (por exemplo, questionei o tal orgulho que uma Oiran tem por ser Oiran ou o fato de crianças-aprendizes admirarem ela por isso e almejarem ser Oiran um dia. Discussão cultural bem densa que não quero desenvolver aqui :x). Mas, enfim, isso tudo só aumentou o meu fascínio pelo assunto em geral e sinceramente eu gostaria de terminar o jogo (mesmo não tendo nenhum interesse nos outros personagens — sou dessas).

Agora, entrando no mundo dos jogos de ritmo para celulares (quase quase otoges? Eles têm modo história, vale? :x) com garotos lindos (porque meu negócio é homem e não lolis — FINALMENTE um app desse tipo pra garotas \o/).

aichuu

Aichuu (ou ichu e variações, título que até hoje não sei qual é o consenso) é o jogo que eu estava de olho desde que vi o vídeo promocional sair. Ele tem muitos detalhes que eu amo: personagens lindos desenhados por 9 ilustradores diferentes (Okazaki Oka & Satoi <3), muitos seiyuus que curto tornando tudo maravilhoso nos modos história, músicas cativantes e jogabilidade simples.

Espera, eu disse que amo esse jogo? Corrigindo, eu odeio esse jogo. Eu me mordo de raiva quando erro um combo de nervosa, eu tenho vontade de jogar o celular na parede quando faço scout e não vem cartas super raras de personagens que eu quero e acima de tudo, eu odeio baixar os pacotes de atualizações (chooooooto matte kureyo na! ~ (>m<)).

noah

ajkdfopsjako, não. Eu amo esse jogo. (/▽\*)。o○♡

idolish7

Outro jogo de ritmo que achei muito legal é Idolish7. Sistema rápido e sem demora na resposta, músicas boas e uma jogabilidade desafiadora e interessante. O problema é AQUELE TRAÇO. CARA-como-eu-sou-chata-com-isso. Tem tanta mangaka de shoujo por aí que desenha bem, mas não, eles tinham que chamar logo a Arina Tanemura-san. >_> Eu não gosto daquele traço, desculpa. Mas eu gosto do jogo. E amo aquele Tenn Kujo (porque Saito Soma (*ノ∀`*)). Entretanto, a aversão ao traço permanece.

yumeirocast

Para encerrar e sair do mundo dos idols, temos Yumeiro Cast, um jogo sobre uma companhia de teatro musical. Tudo nesse game é bom e eu não sei exatamente por que não fiquei tão empolgada com ele quando saiu. Os personagens (no modo história) são em live2D! As músicas são muito legais e a jogabilidade é bem diferente. Estou curtindo aos poucos. Até agora é meu terceiro jogo de ritmo favorito! ❤ Super recomendo!

E é isso! Ano que vem espero que saia logo Touken Ranbu pra celular porque não aguento mais ficar no PC não. :/

Feliz Natal e Feliz Ano Novo!

Eu sei, seu sei. Eu sei que o blog parou de uns tempos pra cá. E não vou mentir, não. Ando sem vontade de postar aqui… >_>’ só quero saber do Otomices xodozinho  Mas então, mais um ano está se passando e o Mania Japa continua sendo um espaço que não consigo levar a sério. Ele é cheio disso e daquilo e vai continuar assim, sendo um pouco de tudo, um reflexo das minhas “fases de vida de otaquinha”. (「• ω •)「 De vez em quando bate aquela vontade de criar um novo blog, mais organizado, onde eu possa falar o que quero sem bagunçar tudo (eu não estou satisfeita com retrospectiva… quero tagarelar só um pouco mais! ><). MAS, como eu disse, é um desejo que surgiu, assim do nada, então vai passar. haha (・∀・ ) Vou aproveitar que estou viajando e pensar nisso, ir pra praia, pegar um solzinho… ~(˘~˘)~

Enfim, vamos ficando por aqui. /o/ Primeiramente, quero agradecer a você, estimado(a) leitor(a), por ter dado uma olhadinha neste post. Espero que tenha gostado! ^^ E se você acompanha este humilde espacinho por alguma razão, obrigada! Espero não estar desapontando você com minhas asneiras. (シ_ _)シ E obrigada por me aturar mais este ano. これからもよろしくお願いします! ヾ(^ω^*)

Boas festas, paz, saúde e tudo de bom pra vocês! Beijos! A gente se vê em 2016! o/

Anúncios

5 comentários em “Retrospectiva 2015 – Uma análise pessoal

  1. Amei o blog , acabei de descobrir graças a DL… Não gosto muito de animes com harém invertido por causa da protagonista… Mas por mais que a Bitch-chan fosse sem sal hahahaha eles me prenderam a atenção Bom final de ano e podem garantir que vou acompanhar o blog em 2016 !! Kissu ~~

    —- Queria jogar DL 😥 COMOFAAAAAAZZZZZ???

    Curtir

  2. Só posso falar que não assisti nenhum anime dessa temporada nem da temporada passada ainda XD pq to na retrasada, de Primavera auhuauhahuauha
    Isso que dá assistir doramas e vídeos de Arashi junto com anime xDD
    Otoges… to igual vc esse ano, não joguei quase nada u.u fazeroque!
    Mas pra mangás esse ano foi bom pra mim pq consegui terminar vários mangás que eu tinha colocado na lista de on-hold e encontrei novos mangás tmb 🙂 inclusive o Kenka Bancho que é demaaaaaaaaaaaais lol
    Aoharu x Kikanjuu eu quero continuar o mangá pra depois ver o anime, mas acho que não vou aguentar xD
    Drama cds eu ouvi mais BL do que otome esse ano XD sem comentários
    Aichuu ❤ melhor jogo de idol. AMOOOOO!!! Yumeiro Cast é demais também, gráfico lindo
    Idolish 7 eu nem instalei, mas o traço tmb não me agradou muito huahuhuahua
    Joguei o Ensemble Stars, o gráfico é lindo, os personagens são legais, mas não tem música D: eu fiquei “o quêeee? Cadê as músicas?” aí joguei 2 semanas e larguei mão disso XD
    Adorei seu post 🙂 quero preparar o meu de fim de ano ainda. E vou tentar ver esses animes hahuauhauha

    Feliz 2016!! 😀
    E que tragam logo TouRabu pra gente \o/

    Curtir

  3. Bem vinda de volta!

    Pelo visto seu ano foi cheio de coisas interessantes =p Falando dos animes, de todos que você falou só assisti Death Parade e Shokugeki, e dos dois só terminei DP… Percebo que a cada ano assisto menos e menos animes (tirando Precure que acompanho religiosamente todo ano XD)

    Falando em Nanatsu, estou lendo o mangá e estou gostando bastante. Sou uma bitch de shounen então ajuda hahaha

    Agora quero falar sobre um dos melhores otoges que joguei/estou jogando… Yoshiwara Higanbana! Meu deuuss como estou adorando XD Até agora só terminei 100% a rota do Shinobu (o samurai loirinho) e foi uma das poucas vezes que tive receio em fazer os finais ruins, de tanto que gostei dele. Sem brincadeira, eu me senti um caco XD Só queria um abraço hehehe. A única coisa ruim é o japonês. E o dialeto das Oirans não ajudam muito as coisas (mas é bom treinamento pelo menos =p) Ao contrário de você sou muito fã de Otoges +18, mas entendo que muitos deles usam muito de coisas como estupro da protagonista virginal como forma de fanservice (pra quem?). Mas felizmente pelo que venho vendo isso já não acontece muito nos Otoges +18 mais recentes (Sanzen Sekai Yuugi felizmente tbm fugiu mto disso).

    Mas enfim (não posso começar a falar das coisas que gosto que começo a tagarelar…), espero q esse ano tenha sido bom pra você e feliz natal e feliz ano novo! (atrasadinhos)

    Ps: Sei bem como é essa desmotivação de escrever no blog… estou com minha review de Amnesia no molho faz alguns meses e não vem inspiração XD Mas aprendi que não se pode forçar nada, pq se não desmotivação acaba virando raiva xp

    Curtir

  4. Que post incrível, Lanny!! Deu saudades do seu blog e vim dar uma olhadinha, você é bastante criativa. Estou pensando até em fazer algo parecido agora, mas acho que estaria muito atrasada. kkkkk Deixa pra próxima. Vou seguir suas recomendações de mangás, pois é o que mais gosto nesse universo de otomices. Bjinhos e não esquece o Mania Japa não, é muito legal justamente por ser tão simples, sabe? Falar do que a gente gosta sem frescuras, tem coisa melhor? :3 Feliz 2016!! Bye bye.

    K-chan.

    Curtir

  5. Aeeeee, finalmente parei pra terminar de ler esse post. Lanny, já te disse que adoro tuas postagens? Sério, você se subestima demais, não tem noção do quão divertida e criativa você é! U_U

    Fiquei interessada nos 3 primeiros shoujos que recomendou, não conhecia nenhum. Sobre Noragami, não foi impressão, não, amiga, o traço realmente deixou a desejar em vários momentos. Fiquei até triste com isso, porque na primeira temporada ele estava impecável. E fora que eles fizeram uma adaptação diferente no final do arco do Ebisu. FIQUEI ARRETADA com a ausência do Yato acordando. GRR! (ノಠ益ಠ)ノ彡┻━┻

    Se tu disse que não jogou nada, imagina eu, né, akeosjdasioeake. Aiin, eu adorei o CD do Zen e não vejo a hora de pegar a rota dele no jogo //fica adiando porque deixa os melhores por último mas acaba nunca jogando.

    Esses joguinho pra mobile… SNIF, o Aichuu não pegou no meu tablet e não consigo fazer funcionar no meu iOS, afs. Mas deve ser tão legal mesmo ;-; O lado bom disso é que será menos um vício pra mim akeoakeoaek.

    PS.: Você disse que ia jogar a rota do ore-sama ruivo em Yoshiwara Higanbana pra mim ;————–;

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s